Dona Flor e seus Dois Maridos


Adaptado Filme

Florípedes, mais conhecida na cidade por Dona Flor, divide seu tempo entre a direção da conceituada escola de culinária Sabor e Arte, muito apreciada pelas senhoras da sociedade, e seu casamento com Vadinho, farrista notório. Sua vida muda quando Vadinho, durante o Carnaval, cai morto em plena esbórnia. Viúva aos trinta anos, dona Flor se casa com o respeitável e pacato farmacêutico Teodoro Madureira, em nada parecido com seu finado primeiro marido. E qual não é a sua surpresa quando, um ano depois de seu segundo casamento, o incorrigível Vadinho volta do lado de lá para lhe atormentar o juízo, como sempre fizera em vida.



Saiba Mais


FICHA TÉCNICA

Título Original: Dona Flor e seus Dois Maridos

OutrosTítulos: 

Etiqueta: Adaptado a Filme - Endereço Web: https://pt.wikipedia.org/wiki/Dona_Flor_e_Seus_Dois_Maridos_(filme_de_1976)

Colecção: 

Série(s): 

Inf. Web: https://pt.wikipedia.org/wiki/Dona_Flor_e_Seus_Dois_Maridos

Dona Flor e Seus Dois Maridos é um dos romances mais conhecidos do escritor brasileiro Jorge Amado, membro da Academia Brasileira de Letras, que o publicou em 1966 e fora levado com êxito ao cinema, ao teatro e à televisão.

Alternando palavras e descrições extremamente realistas da vida boêmia da Salvador dos anos 40, com passagens mais amenas sobre comida e remédios, o livro é um extenso e nostálgico painel do cotidiano e do passado da vida baiana.

Enredo

O romance se inicia com a morte de Vadinho, um boêmio, jogador e alcoólatra que morre subitamente em pleno carnaval de rua, vestido de baiana. Deixa viúva Dona Flor, a quem explorava e que, apesar da vida desregrada do marido, era apaixonada por ele. Na primeira parte do livro são contados os excessos de Vadinho e de todos os companheiros boêmios que o cercavam.

Em contraste com esse ambiente decadente e de maus costumes contado em detalhes pelo autor, na segunda parte do livro é a vida pacata de Dona Flor que passa a ser retratada. É descrito como ela ganha a vida ensinando culinária na escola de sua propriedade "Sabor & Arte". Intercalando as aulas de culinária, há os suspiros da viúva pelo marido morto, que se lembra, cada vez mais constantemente, das qualidades de ótimo amante de Vadinho e dos poucos momentos de luxo que lhe propiciara, quando ganhava no jogo. Ao mesmo tempo, ela é cortejada por um pretendente, Teodoro, um farmacêutico pacato e religioso. Os dois acabam se casando. Mas, de idade um pouco avançada e bastante conservador, ele não consegue satisfazer Dona Flor, que cada vez mais se lembra de Vadinho.

Na terceira parte, os acontecimentos se atropelam e assumem um estilo do realismo fantástico, quando o espírito de Vadinho (que era filho de Exu) retorna e passa a atormentar Dona Flor. Somente ela vê Vadinho que, quando está com Dona Flor, parece ser capaz de realizar as mesmas coisas que fazia na cama quando estava vivo. Dona Flor hesita entre se manter fiel ao novo marido ou ceder ao espírito do primeiro.

Dona Flor e Seus Dois Maridos

 

Língua
Português
Ano de Edição
1960 -1969
Gênero
Ficção
País do Autor
Brasil