A Vendedora de Fósforos


A vendedora de fósforos, de Adriana Lunardi, é a um só tempo o sonho da menina do conto homônimo de Andersen ao riscar seu último fósforo, e a afirmativa potente da escritora ao reinaugurar a vida através da literatura. Num sopro de fecunda criatividade, o enredo nos leva a conhecer o passado embebido de realismo fantástico da protagonista e um presente ávido por diálogo e autoconhecimento nas brumas do que já foi vivido. No ambiente de uma família marcada pela dificuldade de fixar residência, identifica-se o constante questionamento da figura paterna e um amor pulsante e inefável pela mãe. A inevitável reconstituição do modelo familiar caberá ao irmão mais velho, enquanto a admiração entre as irmãs chega à loucura. Amor, literatura e tudo aquilo que não podemos possuir e não sabemos dividir é exatamente o que aproxima e afasta a personagem central de sua irmã. Com referências sólidas no universo literário, a autora nos ensina sobre o poder dos livros, capazes de salvar uma vida e de mudar o passado e o presente.



Saiba Mais


FICHA TÉCNICA

Título Original: A vendedora de fósforos

OutrosTítulos: 

Ano de Edição: 2011

Etiqueta(s): 

Colecção: 

Série(s): 

Avaliação interna (1 a 5): 3

Inf. Web: https://www.revistaamalgama.com.br/02/2012/a-vendedora-de-fosforos-adriana-lunardi/

Uma mulher aproveita a folga de fevereiro para pôr em ordem a sua estante de livros. No meio da arrumação, é surpreendida por um telefonema: a irmã mais nova, que mora em outra cidade, foi internada após mais uma tentativa de suicídio. Depois de anos de separação, a mais velha é obrigada a rever o passado, essa caixa-preta de fraturas, angústias, segredos, recalques e escombros que, durante muito tempo, esquivou-se de inventariar. O romance A vendedora de fósforos é um mosaico perturbador da relação entre duas irmãs. 

Sob um eixo narrativo, a mais velha – que não é identificada por um nome próprio – descreve sua viagem rumo ao encontro daquela que foi hospitalizada. Uma segunda narrativa, à guisa de “memórias”, ilumina os episódios vividos entre elas até a chegada da vida adulta. Neste passado, o microcosmo é uma família de classe média com hábitos peculiares. O pai, um contador inábil, estabelece uma rotina nômade para todos, fugindo de dívidas e de seu próprio passado. De tão frequentes, as mudanças de cidade inviabilizam a criação de laços que extrapolem o círculo familiar. A mãe resigna-se numa espécie muito particular de submissão, engalanada com tailleurs e sapatos de salto improváveis para o cotidiano de uma dona de casa. E o irmão mais velho intriga fonoaudiólogos com um problema incomum: é incapaz de referir-se a si próprio em primeira pessoa. 

Imersas nesse sistema disfuncional, as irmãs estabelecem uma complexa relação que culmina no torturante jogo de espelhos. Alteridade e amálgama, sobreposição e jogos de sombra, comunhão e disputa. Tudo isso se mescla na torrente de fantasmas que é a vida compartilhada, base para que a autora construa uma narrativa engenhosa, rumo a um final surpreendente. A vendedora de fósforos tomou o seu título do conto “Den lille pige med svovlstikkerne” (“A pequena vendedora de fósforos”), de Hans Christian Andersen. “Dá para mudar a história dos livros?”, indaga uma das irmãs. “Aquela é a história do Andersen. A minha eu conto assim”, ouve como resposta. 

É a linguagem, afinal, que funde as duas irmãs-protagonistas deste romance. Ambas aspirantes a escritoras, constroem sua relação em jorros vocabulares e silêncios profundos; embaralham-se e azucrinam-se porque estão, como grande parte dos personagens de Adriana Lunardi, ousando experimentar as artimanhas da palavra. Em seu segundo romance, Adriana Lunardi retoma os temas que marcam sua elogiada trajetória na literatura contemporânea, entre os quais o hálito da morte – sua presença nas entrelinhas –, como elemento que redimensiona a trama. A autora também volta a explorar as muitas faces da atitude narrativa, com o que ela tem de pecado e redenção, para interligar cacos de uma história contada de forma não linear, embaralhada e densa como é, sempre, a composição do passado.

 

Ano de Edição
2010-2019
Gênero
Ficção
País do Autor
Brasil
Língua
Português